segunda-feira, 4 de abril de 2011

As vezes nos surpriendemos

Quero contar-lhes uma história que aconteceu comigo, Bel, neste último domingo dia 27 de março de 2011. Como Rafa tinha malária ele não foi na igreja. Eu resolvi ir de taxi, então fui até o ponto de taxi que fica na esquina de casa. Lá falai para o taxista que queria ir até um pouco mais na frente da desminagem, ele falou que era 150 meticais, mas, eu falei, não, sempre pago 100 meticais, mas ele insistiu e falou que era 150 meticais, eu disse que não, que era 100 meticais, por fim tive que aceitar o valor de 150 meticais. No caminho ele me falou que era crente e até me mostrou a igreja onde ele vai, a igreja fica no caminho. Quando chegamos na igreja ele me perguntou que horas deveria passar para me pegar, eu falei que ligava para ele quando o culto terminasse, mas perguntou que horas terminava o culto, não sei respondo, as vezes terminamos às 11:00 h, às vezes11:30 e às vezes 12:00 h. Então, falei para ele esperar que eu ia ligar. Ele foi para o culto na igreja dele. Quando nosso culto terminou por volta das 11:30, eu pensei; aquele taxista me enganou não vou chamá-lo, vou andar até o ponto do chapa. Mas, nem tinha andado cinco minutos quem aparece atrás de mim? Isso mesmo o taxista, a senhora não ligou eu vim te pegar. Bom, como ele estava lá entrei no carro, comigo estava um menino que é nosso vizinho, geralmente ele vai à igreja conosco. No caminho o taxista me falou: eu tinha que pegar a senhora, eu me arrpendi porque a senhora pagou 150 meticais quando deveria pagar 100 meticais, eu não poderia fazer isso com a minha irmã em Cristo, então agora a volta só vai pagar 50 meticais. Na hora fiquei meio que sem ação, mas concordei com ele. Sabe, um prazer deles aqui é tirar dinheiro do 'estrangeiro'. Fiquei contente com a atitude dele. Isabel Mapa